Gráfico pizza

Quais setores despontarão na bolsa em 2019

23 JAN, 2019 / JORNALISTA RESPONSÁVEL: GRAZIELI BINKOWSKI

A alta da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) em 2018 deixou otimistas analistas e especialistas em investimentos pessoais. Em geral, as projeções para este ano são de que a valorização continuará, no lastro do possível avanço de reformas, melhora no desempenho da economia e o fim da etapa mais tensa na política. O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou o ano passado com ganho de 15%, aos 87.887 pontos – desempenho muito acima do observado em outros emergentes.

 

Embora um pouco menor do que o registrado em anos anteriores, esse resultado mostra que as incertezas com o cenário interno, sobretudo com as eleições, foram superadas, afirma Lucas Paulino, sócio-fundador do Mais Retorno, plataforma de assessoria de investimentos. “Isso pavimenta boas oportunidades para 2019”, projeta.

No ano passado, o índice foi puxado por papéis de companhias que atuam em setores como infraestrutura, construção e consumo, além das estatais. Os balanços financeiros do terceiro trimestre mostram que elas conseguiram crescer mesmo com dificuldades enfrentadas ao longo do ano. Em 2019, explica Paulino, são segmentos diretamente influenciados pelo aquecimento da economia e por um cenário mais generoso para o crédito que movimentarão a B3.

“Alguns setores se destacam como alternativas de investimento, como construção civil, incorporadoras, empresas produtoras de alimentos e bebidas, grupos varejistas e shopping centers, além das próprias estatais, que têm passado por mudanças de gestão a partir da chegada da nova equipe econômica”, sugere o especialista.

A Toro Investimentos também orienta investidores a apontarem a lupa para estatais, em razão da possibilidade de privatizações. Assim, quem pensa em navegar no mercado de ações em 2019 deve ficar atento a papéis como Eletrobras, Petrobras e Banco do Brasil. A Toro também projeta boas oportunidades para empresas privadas dos setores financeiro e de varejo.

“Com o avanço das reformas, o Brasil deverá voltar ao desenvolvimento econômico. Se esse cenário confirmar, as estatais ficam no radar de privatizações. O crescimento econômico também deverá derrubar o desemprego e fazer o consumo aumentar – e algumas empresas vão aproveitar o cenário e se valorizar bastante”, afirma Rafael Panonko, chefe de Análise da Toro Investimentos.

O economista da FB Capital, Fernando Bergallo, calcula que a bolsa de valores estaria em aproximadamente 135 mil pontos se acompanhasse a inflação desde 2008. Isso significa que ainda tem muito potencial para subir e alcançar sucessivos recordes ao longo do ano, ressalta. A projeção do especialista é que uma eventual aprovação da Reforma na Previdência lançará ao mercado o sinal de que o governo conseguirá colocar a economia nos trilhos, o que influenciará a queda do dólar e a valorização das ações negociadas no mercado de capitais.

 

Os setores promissores da bolsa em 2019, conforme os especialistas consultados
Construção Civil e Incorporação
Comércio e Varejo, incluindo Shopping Centers
Bancos Públicos e Privados
Empresas de Alimentos e Bens de Consumo
Estatais Federais


Veja mais: