Gráficos financeiros

Fundos multimercados campeões de rentabilidade no ano

12 JUN, 2019 / JORNALISTA RESPONSÁVEL: GRAZIELI BINKOWSKI

Os fundos multimercados – que podem operar em ativos tão variados quanto moedas, juros e bolsa, tanto no Brasil quanto no exterior – têm conseguido alcançar rendimentos superiores a dois dígitos ao longo dos últimos 12 meses. Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostram que os fundos inseridos na categoria Long and Short Direcional (que fazem operações comprando e vendendo dois ativos na mesma transação, de forma simultânea) são os campeões do período, com uma rentabilidade média de 12,69%.

Em seguida, vem a categoria Estratégia Específica, com ganho de 11,71% em 12 meses. Na outra ponta, com valorização menor, estão os tipos Long and Short Neutro e Juros e Moedas, embora com ganhos nada desprezíveis – ambos venceram a inflação no intervalo.

"Mesmo com pouco dinheiro, as aplicações em fundos multimercados são viáveis como forma de diversificar os ativos e diluir o risco na aplicação", avalia André Alírio, operador de renda fixa da Nova Futura Investimentos.

Apesar da valorização, os multimercados têm sofrido uma fuga de investidores nos últimos meses, o que é atribuído por consultores de investimentos à busca por opções mais rentáveis, ligadas a ações, por exemplo, ou mais baratos, com taxa de administração mais baixas. Em maio, a classe apresentou saída líquida de R$ 5,1 bilhões, o segundo mês consecutivo de captação líquida negativa, verifica a Anbima. No ano, os multimercados registram entrada líquida de R$ 3,7 bilhões, enquanto no mesmo período de 2018 registravam saldo positivo de R$ 45 bilhões.

Para encontrar o melhor fundo, Alírio sugere avaliar as taxas de administração, a rentabilidade histórica e comparar o ganho líquido com outros fundos de bancos e corretoras de investimentos.

"É um caminho para ter a experiência de encontrar taxas mais baixas e finalmente deixar a poupança, fazendo o dinheiro ser muito melhor rentabilizado", explica.

Na análise de Pier Mattei, sócio-fundador da Monte Bravo Investimentos, a pluralidade de fundos existentes em empresas de investimentos pode ser uma porta de entrada para o investidor escapar dos bancos e iniciar uma parceria com as corretoras. Ele indica que estes produtos recebem atenção especial dos gestores para buscar sempre bons negócios. Além disso, eles conseguem identificar melhor os anseios do investidor, considerando prazo, segurança e rendimento.

"Essa vantagem faz toda diferença para o aplicador na busca por mais rentabilidade com segurança", avalia Mattei.

Os desempenhos dos tipos de fundos multimercados em 12 meses (rendimento até maio de 2019):

Multimercados Long and Short Neutro 6,84%
Multimercados Juros e Moedas 7,23%
Multimercados Capital Protegido 7,95%
Multimercados Macro 8,54%
Multimercados Investimento no Exterior 9,43%
Multimercados Dinâmico 9,78%
Multimercados Livre 10,52%
Multimercados Trading 10,74%
Multimercados Balanceados 11,46%
Multimercados Estratégia Específica 11,71%
Multimercados Long and Short Direcional 12,69%
Fonte: Anbima

Os fundos multimercados mais rentáveis de janeiro a maio deste ano:

Logos FIC FIM (Livre) 30,65%
BNP Paribas Capital Protegido 20,47%
Tavola Absoluto FIM Long and Short Direcional 17,6%
Fides Absoluto FIC FIM Access 17,53%
Canvas Victor (Livre) 16,54%
Angá Crédito Estruturado FIC FIM CP 15,25%
Opportunity Midi FIC FIM 14,98%
Reach Total Return FIM 14,23%
Opportunity Biased FIC FIM 13,80%
Navgi Long Biased FIM CP 13,72%
Fonte: Mais Retorno
ADVERTÊNCIA: declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site, tanto referente às matérias de produção própria, quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.