Moeda na corda bamba

Conheça os 5 principais riscos financeiros e como evitá-los

2018 / POR: ACIONISTA.COM.BR

Todo e qualquer investimento tem riscos, faz parte do negócio e dificilmente você irá se escapar deles. É um fato que nenhuma quantidade de conhecimento é capaz de remover 100% do risco, como foi dito no artigo anterior "toda e qualquer decisão financeira está voltada para o futuro" e no mundo de hoje as mudanças são constantes e dificilmente iremos prever a todos os acontecimentos, mas é importante que você conheça e se atente para buscar diminuí-los.

Risco de Mercado

Está ligado às oscilações de preços, ou seja, a flutuação dos preços dos investimentos que impacta sua rentabilidade (lucro ou prejuízo) final. Envolve todos investimentos e você pode calcular o desempenho de DUAS maneiras: diretamente via variação do preço do ativo que você investiu OU comparando com outro indicador de referência, normalmente com algum índice como a variação do CDI, Ibovespa, ou até mesmo a Selic; assim você pode dimensionar o quão arriscada é a operação em relação a outro ativo e durante o investimento comparar rentabilidades. Muitos investimentos, em fundos, por exemplo, buscam acompanhar algum índice ou superá-lo, no jargão de mercado seria o benchmark.

Para evitar ou diminuir esses riscos a melhor sugestão é diversificar os investimentos, isto é, conhecer e investir em diferentes modalidades. Assim a reação de cada um deles irá ser diferente, pois estão atrelados a diferentes tipos de risco, diminuindo as chances de perda e maximizando as possibilidades de retorno.

Risco de Crédito

Envolve a impossibilidade de se honrar compromissos assumidos, ou seja, de não haver pagamento. Portanto fique atento onde você vai investir!

Em todos os casos o risco está atrelado a capacidade de um investidor receber de volta o dinheiro de uma aplicação. Exemplo: aquele que investe em poupança ou CDB corre o risco de o banco quebrar; quem investe no Tesouro Direto tem o risco de o Governo quebrar; aquele que investe em uma debênture corre o risco de a empresa quebrar.

Aplicações de renda fixa geralmente oferecem mais segurança tanto por não apresentar volatilidade, como por poder contar com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) que garante ao investidor o ressarcimento de até R$ 250 mil por investidor e por instituição emissora em caso de quebra ou insolvência de banco escolhido.

Em busca de evitar estes riscos fique atento para a qualidade do emissor, busque informações sobre a instituição que você vai investir para evitar problemas com calote. Diversas instituições oferecem inúmeras e tentadoras alternativas de investimento, o mais importante é que você possa checar sobre o que lhe foi passado antes de qualquer movimento.

Risco de Liquidez

Liquidez é a facilidade ou dificuldade de converter um ativo em dinheiro sem fazer ele perder seu valor. Quanto mais rápido e fácil isso ocorrer maior liquidez há no investimento, isto é, quanto mais rápido for o resgate sem perda de valor. Exemplo: poupança, tesouro direto normalmente você pode resgatar a qualquer momento (alta liquidez), já o investimento em um imóvel pode demorar algum tempo para que uma venda ocorra (baixa liquidez).

Alguns produtos com baixa liquidez oferecem bons retornos, assim como, em momentos de crise os investimentos de alta liquidez podem ser melhores. Então para evitar este tipo de risco o aconselhável segue a mesma teoria abordada anteriormente, diversificação, destinando uma parte com uma estratégia de longo prazo e outra visando o curto/médio prazo.

Risco Operacional

Como em tudo na vida por mais cuidado que se tenha, sempre há o risco da falha humana ou fraude em alguma operação financeira, que prejudica diretamente o investidor. Na CVM, ressalta-se que o risco operacional também está ligado às falhas provenientes de equipamentos, falhas humanas no controle de custo e gerenciamento de quantias aplicadas ou, até mesmo, a má administração.

A melhor forma de prevenção é a prudência de conhecer bem onde você irá investir, quem é o emissor do ativo.

Risco Legal

De acordo com a CVM este é um risco que pode envolver o não cumprimento das condições pactuadas. Muito se vê através de ofertas de produtos ou serviços que promete rendimentos muito acima de produtos similares no mercado ou de agentes não autorizados a exercer a função.

Para evitar é muito importante investir em aplicações regulamentadas e em instituições reconhecidas e autorizadas pela CVM a captar investimentos.



Outras Matérias: