Greve dos caminhoneiros

Greve dos caminhoneiros - Qual impacto na economia?

22 ABR, 2019 / POR: GUERATTO PRESS

"Especialistas do mercado financeiro explicam como uma nova greve pode afetar a economia do país".

Com o aumento do preço do diesel, a nova política do governo Bolsonaro de livre mercado não agrada a categoria dos caminhoneiros, que ameaçam começar uma greve na próxima segunda-feira, dia 29 de abril. Sabendo disso, o governo começou uma articulação com alguns ministros para impedir essa paralisação. Outra greve como a de 2018 teria muitos impactos no país e consequentemente nos investimentos. Especialistas do mercado financeiro explicam como isso pode afetar a economia brasileira.

"Uma nova greve dos caminhoneiros pode ser bastante fatal para o mercado financeiro, como vimos no ano passado o país parou e tivemos fortes estragos na economia. Repetir esse evento além de causar um novo impacto negativo econômico, traz aos investidores uma forte aversão ao mercado brasileiro e poderia derrubar os índices da bolsa", explica a sócia-diretora da FB Wealth, Daniela Casabona.
"Uma nova greve nas proporções da que ocorreu em 2018 faria com que o dólar rapidamente superasse os R$ 4,00 podendo chegar a R$ 4,20. Acredito que o bolsa despencaria no mínimo 5 mil pontos. Porém, o mais importante não são os efeitos imediatos. O grande problema é a crise de confiança que tomaria conta do país. O desânimo interromperia investimentos e contratações por parte dos empresários e teria uma queda no consumo por parte dos brasileiros. Ninguém gasta dinheiro com um futuro pessimista. O impacto no PIB nos meses seguintes seria muito forte", ressalta Pedro Coelho Afonso, economista-chefe da PCA Capital.
"Uma nova greve dos caminhoneiros afeta ainda mais a credibilidade do Brasil perante aos investidores estrangeiros, já temos o impasse da Reforma da Previdência, onde tudo indica que terá o seu texto original alterado na votação agendada para amanhã. A ameaça de paralização dos caminhoneiros nos deixa ainda mais sensibilizados aos olhos desses investidores, expondo a nossa fragilidade de infraestrutura e quanto o governo é refém diante das exigências dos caminhoneiros", finaliza Fernando Bergallo, diretor de câmbio da FB Capital.

Gueratto Press



Veja mais: