Michel Temer

Os impactos da prisão de Michel Temer no mercado financeiro

21 MAR, 2019 / POR: GUERATTO PRESS

"5 especialistas do mercado financeiro comentam a prisão do ex-presidente".

A prisão do ex-presidente Michel Temer, foi uma surpresa para todos, pois se trata de um político bastante conhecido por ter fortes aliados. Mas com os motivos da prisão ainda incertos uma cautela se instala no mercado financeiro, que está com dúvidas sobre quais os desdobramentos dessa prisão, quais motivos e o que isso pode afetar a agenda de reformas do Congresso. Especialistas do mercado financeiro explicam algumas possíveis consequências.

"O mercado fica temeroso, porque efetivamente não era esperado que isso acontecesse, o mercado acaba dando uma recuada, existe um ar de incertezas quanto aos possíveis desdobramentos do que essa prisão implica. O que é importante ressaltar, é a surpresa do mercado financeiro que não esperava e o que será muito questionado são os reais motivos dessa prisão. E como tudo que não era esperado pelo mercado financeiro, ele acaba reagindo de maneira imediatista, entendendo que aquilo pode ser só a ponta de novos acontecimentos que estão por trás desse evento", explica o economista Pedro Coelho Afonso.
"O que pode ser afirmado com um alto grau de segurança, é o pessimismo no cenário doméstico, ontem o câmbio teve um alívio com a reunião do FED, indicando que a alta de juros não seguirá num ritmo acentuado, trazendo um alivio para mercado, deixando o dólar nas mínimas em torno de R$ 3,73 e no final do dia com os ruídos entre Rodrigo Maia e Sérgio Moro, o que impactou no executivo com o legislativo, fazendo o mercado adotar um tom pessimista, e hoje com essa prisão do Temer, trazendo mais cautela para o investidor institucional que está enxergando uma situação muito fragmentada do ponto de vista político, impactando a agenda econômica do governo", finaliza Fernando Bergallo, diretor de câmbio da FB Capital.
"A prisão do Michel Temer pode ser lida pelo congresso de uma forma ruim para reformas. Um dos detidos é sogro do Presidente do Congresso Nacional e a prisão ocorreu alguns dias depois de um atrito entre ele e o ministro da justiça. Essa leitura, que não é a única, pode colocar o mercado em um estado de alerta, já que a dinâmica de curto prazo da reforma da previdência seria afetada", explica Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da Nova Futura Investimentos.
"A prisão do ex-presidente foi um fato inesperado, que deixa o mercado financeiro cauteloso em relação ao que pode acontecer nos próximos dias, visto que a prisão foi comandada pela operação Lava Jato. Existe uma probabilidade de haver mais questões e pessoas envolvidas, deixando várias incertezas e fazendo os investidores darem uma recuada. Investidor quer sentir que todos os holofotes e esforções estão exclusivamente na aprovação da Reforma da Previdência. Por isso a Bolsa está caindo 2%, após a notícia da prisão", ressalta Daniela Casabona, sócia-diretora da FB Wealth.
"A prisão do Michel Temer, atinge o mercado porque desvia o foco do principal, que é a Reforma da Previdência. Quando um ex-presidente é preso, cria-se um ar de desconfiança, surgem questões como se mais pessoas serão presas, se irá haver uma delação, se outros políticos também podem estar envolvidos, desviando o foco da reforma previdenciária, que deixam o investidor interno e o estrangeiro cauteloso, em relação a aprovação do que está planejado", ressalta Fabrizio Gueratto, financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira.

Gueratto Press



Veja mais: