Investimentos

Como ficam os investimentos após as eleições?

21 NOV, 2018 / Jornalista Responsável: Grazieli Binkowski

A definição do cenário eleitoral e o horizonte de possibilidade de avanço de reformas na economia sugerem uma agenda de investimentos mais focada na renda variável, na visão de analistas e consultores financeiros. Na renda fixa, será necessário ter criatividade para ganhar dinheiro. A perspectiva é de manutenção dos juros no atual patamar pelo menos até a metade do ano que vem, em razão de maior confiança na economia brasileira e da inflação sob controle – que traz como consequência a estabilidade da Taxa Básica de Juros (Selic) e do CDI.

"Quem pretende ganhar mais dinheiro terá de diversificar e incluir produtos mais complexos, como fundos multimercado, ações e Certificados de Operações Estruturadas (COEs), à sua carteira. É necessário estender o horizonte de investimento. Para o curto prazo, as aplicações conservadoras continuam sendo as mais adequadas", avalia Sandra Blanco, consultora de investimentos da Órama.

Conforme a Órama, a carteira sugerida pode ter de 40% a 60% dos recursos em renda fixa (títulos e fundos) e uma parcela em renda variável (bolsa e fundos de ações). É importante levar em consideração o apetite por risco para definir quanto, efetivamente, será colocado em renda variável, e focar no longo prazo, diz Sandra. Para fechar a composição da carteira, fundos multimercado e COEs são algumas opções, também com alocação de acordo com o perfil de cada um.

Conforme a Mapfre Investimentos, o cenário de inflação e juros em patamar baixo deve permanecer até, pelo menos, o segundo semestre do ano que vem. Depois, poderá haver influência na Selic dos preços ao atacado e ao consumidor.

Bolsa pode esticar mais

Na renda variável, de acordo com análise de consultores do comparador de investimentos Yubb, a tendência é de recuo gradativo do dólar e valorização de ações de estatais, caso permaneça clara a intenção do novo governo de evitar influência política em empresas como Petrobras e Banco do Brasil. Isso deve manter a Bolsa de Valores em trajetória de crescimento. Alguns agentes do mercado já projetam o Ibovespa em direção aos 110 mil pontos, uma valorização de aproximadamente 26% sobre preços atuais.

O Bradesco Asset Management avalia que há espaço para que o Ibovespa siga em trajetória de alta pelos próximos meses, pois, conforme seu superintendente de Renda Variável, Luis Guedes:

"A melhora prevista não está totalmente precificada".

A maior variação de ativos também abre oportunidade em fundos cambiais, COEs e ETFs (os fundos de índice), papéis que começam a se tornar mais procurados no Brasil. A avaliação de especialistas do Yubb é que, com o Bolsonaro eleito, os fundos são uma boa opção:

"Os gestores podem alocar o dinheiro em ativos mais arriscados da renda variável. Fundos multimercado e fundos de ações têm boas oportunidades para esse período, pois unem a experiência dos gestores com o risco da renda variável", avalia o serviço.


Veja mais: