Índice para outros Setores
Setor Tecnologia da Informação - Consumo vai crescer
26 de abril de 2010
Desempenho
 

As perspectivas para o desempenho do setor de tecnologia da informação são positivas para todos os segmentos. A recuperação e o ritmo de crescimento é o que varia em cada um deles. Pesquisa recente divulgada pela Fundação Getúlio Vargas, e destacada pela Planner Corretora em relatório, inclui a projeção de que o Brasil atingirá 140 milhões de computadores até 2014. Isso representa um incremento nos próximos quatro anos ao equivalente dos últimos 30 anos. Hoje o número de computadores per capita no país é de 37% contra 100% verificado nos Estados Unidos.

Em relação ao mercado de aplicativos e serviços, o ponto positivo é que os investimentos feitos por pequenas e médias empresas com essas soluções cresceram 6,4% em 2009, acima da expansão verificada em 2008. Apesar disso, é o segmento que ainda se recupera de forma lenta dos efeitos da crise. No varejo, o incremento é na mesma linha. A média dos gastos do brasileiro com esses produtos deve crescer 7% ao ano, acima dos 5% da média de 2005 e da expansão projetada para o PIB brasileiro. A TOTVS manteve a liderança do mercado de desenvolvedores de softwares de gestão, os ERPs, com 38% de participação, seguido por SAP e Oracle com 25% e 17% respectivamente.

As projeções do IDC (International Data Corporation) indicam que os gastos mundiais com serviços em tecnologia da informação devem ser 3,2% maiores em 2010. Os investimentos na América Latina têm crescimento projetado de 6,3% e no Brasil, maior mercado da região, entre 8% e 9%. Os investimentos mundiais com BPO (Business Process Outsourcing) – mercado em que atua a TIVIT - chamado de terceirização de processos de negócio, deve aumentar 9% e 8,4% no continente americano. Conforme a Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), o mercado de outsourcing de TI representa cerca de 7% do PIB brasileiro.
 

                Mercado de Ações
 

Os papéis do setor acumulam queda neste ano de acordo com levantamento do Acionista.com.br. As exceções são a Bematech, que terminou o primeiro trimestre com variação de 7,2%, e a TIVIT, com ganho 11,18%. Idéias Net caiu 26,65% e a TOTVS, 5,09%. A justificativa para a queda de 20,33% para a ação da Positivo no mesmo período, segundo o analista Alan Cardoso, da Ágora Invest, é que a empresa é considerada como de varejo.

Todas as companhias desse segmento sentiram o início do ano, impactado pela perspectivas de subida das taxas de juros e divulgação de outros indicadores. “O que aconteceu foi uma mudança dos investidores, que migraram para outros setores mais promissores no curto prazo”, explica o analista. Neste sentido, a taxa de juros é um driver importante, mas em um prazo menor. De maneira geral, para todo o setor, a inadimplência é um fundamento que influencia mais à variação do papel e o desempenho das empresas.

 

Opinião do Mercado

Alan Cardoso
Analista da Corretora Ágora

Dos três grandes segmentos no qual as empresas de venda de computadores atuam, como a Positivo, o de varejo, o corporativo e o de governo, o último pode ser considerado anticíclico. Quando o mercado está mais fraco, o de governo normalmente está mais forte. As vendas ao varejo foram impactadas com a crise de 2008, mas já vêm se recuperando. O último trimestre de 2009 já foi muito bom para a Positivo. Além disso, ela é mais capitalizada do que as suas outras concorrentes, que são empresas menores.

A companhia conseguiu ganhar marketshare no ano passado, ainda maior que a recuperação vista no setor. Um dos drivers do setor é o dado que o IDC divulgou de que o mercado de tecnologia da informação, de forma geral, irá apresentar expansão de 30% no primeiro trimestre de 2010 em relação há doze meses. Esse crescimento é importante, mas muito dele, é de recuperação da crise. Só no varejo, o volume de PCs caiu 20% em relação ao primeiro trimestre de 2009. O 4tr09 já foi bem forte, especialmente para o varejo, deve ser bom e continuar assim. O mercado corporativo está retomando de forma mais lenta, mas nesse segmento, a Positivo tem atuação reduzida.

No ano passado, a margem das empresas também foi muito afetada, tanto por causa da crise, como devido à alta do dólar. Em 2010, a margem Ebitda da Positivo deve voltar ao patamar mais normalizado de 9% a 11% , mas não se retoma ao nível dos anos de 2007 e 2008. Hoje, o cenário é mais competitivo. Mas a tendência é de retomada, só que em uma dinâmica de longo prazo. De acordo com a própria Positivo, a média de computadores nas casas das classes A e B é de 1, considerando que as famílias dessa última é formado por três pessoas. A perspectiva de que cada pessoa da classe B tenha 1 notebook não é nada de mais. Além disso, há a inclusão de pessoas da classe D para a C, que também são consumidores potenciais. Por isso, a grande questão para o setor continuar se expandindo é o crescimento do país e do nível de emprego.

Recomendação: Compra para o papel, preço-alvo de R$28,07 pra dez/2010. Isso signfica um up side de quase de 50% (em relação ao fechamento de 20.04).


Corretora Ativa
Relatório Equipe de Análise

A Positivo Informática divulgou vendas de 425,7 mil PCs no 1T10. Isso representou um crescimento de 31,8% no ano, e queda de 12,1% em relação ao quadrimestre anterior. O desempenho foi decorrente, principalmente, do maior ritmo de entregas ao governo, que registrou crescimento de 109,7% e de 190,5% em relação ao 1T09 e 4T09, respectivamente, enquanto o varejo registrou crescimento de 25,9% na comparação anual.

As vendas de notebooks alcançaram 141,0 mil unidades, 31% a mais em doze meses, mas uma redução de 33,4% em relação ao quadrimestre do ano passado. Por enquanto 284,8 mil desktops foram vendidos, indicando um incremento de 32,2% em relação ao mesmo trimestre de 2009 e 4,4% aos quatro meses anteriores. A receita líquida foi de R$ R$ 531,4 milhões,
30,7% superior ao 1tr09 e uma queda de 13,5% ao quadrimestre anterior. Observa-se um aumento de 3,1% dos preços médios em reais em relação ao 4T09 devido principalmente à maior proporção de entregas para clientes de governo, cujos preços são usualmente superiores aos praticados com clientes de varejo. O responsável por esse resultado é o aumento de 13,2% do preço médio em reais referente às entregas relativas ao contrato com o Ministério da Educação.

A visão da Corretora é que essa divulgação é neutra para a companhia. O grande destaque do trimestre foi o crescimento das entregas para o governo, para as quais o mercado já esperava um aumento substancial, fazendo com que o número total de PCs vendidos ficasse muito próximo de nossa expectativa de 427 mil máquinas, porém com maior ênfase para desktops que o esperado. A maior entrega para o governo também proporcionou um crescimento superior de receitas.

Recomendação: Reiteramos nosso view positivo para as ações da companhia, na medida em que esperamos uma importante retomada das vendas de computadores este ano, reforçado pela estimativa de crescimento de vendas de PCs de 16% do IDC para este ano, tanto através do varejo, quanto para o governo, ambos segmentos em que a Positivo é líder. Temos recomendação de COMPRA para POSI3, com base no preço de R$25,40/ação potencial de 33% para dez/10.


Aloísio Lemos
Analista Agora Corretora

O desempenho da Bematech está muito ligado ao segmento de automação comercial de varejo para a pequena e média empresa. O ano passado ainda apresentou rescaldos da crise de 2008, quando especialmente esse segmento diminuiu investimentos e o crédito foi mais contido. Este ano a tendência é promissora, porque estamos falando de um País que teve um crescimento mais estável no ano passado, e que neste ano tem uma expectativa de crescer entre 5% e 6% o PIB. Esses segmentos atendidos pela Bematech, sem exceção, todos têm muito que se apropriar da reativação da atividade econômica, porque esta atividade tem que parar na ponta do varejo, e o mercado doméstico tem sido o vetor principal.

A Companhia, além disso, vem amadurecendo, fez aquisições, já solidificou segmentos que considera verticais no varejo, e acho que ela está preparada pra entregar um crescimento maior. Ela vinha ajustando alguns ativos que precisam ter sinergias. A margem Ebitda melhorou bem entre o 3tr09 (18,65%) e o 4tr09 (20,7%). Há uma expectativa por parte da companhia de manter essa margem no intervalo entre 21% e 24% em 2011 e 2012. O 4tr mostra essa recuperação, especialmente, em relação à média do ano de 2009, que foi de 15,6%, bem abaixo da margem conquistada e, 2008, que foi de 22,7%.

Recomendação:
COMPRA com preço-alvo de R$ 12,58 para dez/10.


voltar ao topo

Indicadores
Empresa ►

Bematech

Gama Ideias Net Itautec Positivo TIVIT TOTVS
  Dados▼ BEMA3 OPGM3B IDNT3 ITEC3 POSI3 TVIT3 TOTS3
Nível Gov. Corporativa NM MB NM - NM NM NM
PL 2008 R$ MM 379,29 4,54 189,16 453,09 570,01 68,28 453,68
PL 2009 R$ MM 376,29 6,70 127,93 496,08 624,41 167,13 501,47
LL 2008 R$ MM 51,72 421,00 (46,27) 40,54 136,08 4,14 48,21
LL 2009 R$ MM 27,92 2,16 (9,64) 53,569 118,72 68,33 120,30
Variacao LL 2009 (%) (46,01) (99,49) (79,17) 32,13 (12,76) 1550,08 149,51
ROE 2009(%) 7,41  32,25 NE 10,79 19,01 40,88 24,00
Índices Bovespa              
Ibovespa .
IBRX-50 .
IBRX . .
IGC . . . . .
Itag . . . . .
ISE .
IVBX2 . .
MLCX .
SMLL . . . .
ICON ..
INDX .. .
IEE .
IMOB .
ITEL .
IFNC .

Informações Relevantes:
ROE - Retorno - lucro líquido sobre patrimônio líquido consolidados
NE - Não Existe
Fonte: Bovespa

voltar ao topo
                Governança Corporativa
Empresas Periodicidade Dividendos/ano %Dividendo LL Tag Along (On) e (PN) Conselheiros Independentes
Bematech Ano

25%

100% Sim
Ideias Net Ano 25% 100% Sim
Itautec Ano 25% Não Não
Positivo Semestral 25% 100% Sim
TIVIT Ano 25% 100% Sim
TOVT Ano 25% 100% Sim


Informações Relevantes:
A Gama é listada no mercado de balcão, e não tem as mesmas obrigatoriedades que as demais companhias.
As informações citadas acima são determinadas em estatuto e, no caso dos dois primeiros itesn, podem ser feitos diferentemente na prática.
Definição de Conselheiro Independente, de acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC): O Conselho da organização deve, preferencialmente, ter maioria de conselheiros independentes. O conselheiro independente se caracteriza por: Não ter qualquer vínculo com a organização, exceto eventual participação de capital; não ser acionista controlador, membro do grupo de controle, cônjuge ou parente até segundo grau destes, ou ser vinculado a organizações relacionadas ao acionista controlador;não ter sido empregado ou diretor da organização ou de alguma de suas subsidiárias; não estar fornecendo ou comprando, direta ou indiretamente, serviços ou produtos à organização;não ser funcionário ou diretor de entidade que esteja oferecendo serviços ou produtos à organização;não ser cônjuge ou parente até segundo grau de algum diretor ou gerente da organização;não receber outra remuneração da organização além dos honorários de conselheiro (dividendos oriundos de eventual participação no capital estão excluídos desta restrição)No Novo Mercado é obrigatório que 20% dos conselheiros sejam independentes.
Fonte: site das companhias e Bovespa (Tag Along)

Acesse a Agenda de Resultados 1T10  &  Acesse Cotações Cias participantes do Novo Mercado de Gov. Corporativa

voltar ao topo


Elaborado e editado pela jornalista Grazieli Inticher Binkowski

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Acionista.com.br
Atendendo a instrução CVM nº 388 de 30/04/2003, o analista entrevistado pelo Acionista.com.br declara que:
I – As recomendações expressas pelo analista entrevistado e publicadas pelo Acionista.com.br, refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, e que foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à instituição à qual esteja vinculado, se for o caso;
II – O analista entrevistado não mantém vínculo com qualquer pessoa natural que atue no âmbito das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado;
III – A instituição à qual o analista entrevistado pelo Acionista.com.br está vinculado, quando for o caso, bem como os fundos, carteiras e clubes de investimentos em valores mobiliários por ela administrados não possui participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% (um por cento) do capital social de quaisquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado, ou está envolvida na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado;
IV – O analista entrevistado não é titular, direta ou indiretamente, de valores mobiliários de emissão da companhia objeto de sua análise, que representem 5% (cinco por cento) ou mais de seu patrimônio pessoal, ou esteja envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado;
V – O analista entrevistado pelo Acionista.com.br ou instituição à qual esteja vinculado não recebe remuneração por serviços prestados ou apresenta relações comerciais com qualquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado, ou pessoa natural ou pessoa jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse desta companhia; e
VI – A remuneração do analista entrevistado ou esquema de compensação do qual é integrante não está atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários emitidos por companhias analisadas no relatório, ou às receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela instituição a qual está vinculado, se for o caso.


Advertência: As informações econômico financeiras apresentadas no Acionista.com.br são extraídas de fontes de domínio público, consideradas confiáveis. Entretanto, estas informações estão sujeitas a imprecisões e erros pelos quais não nos responsabilizamos.
As opiniões de analistas, assim como os dados e informações de empresas aqui publicadas são de responsabilidade única de seus autores e suas fontes.
O objetivo deste portal é suprir o mercado e seus clientes de dados e informações bem como conteúdos sobre mercado financeiro, acionário e de empresas. As decisões sobre investimentos são pessoais, não podendo ser imputado ao acionista.com.br nenhuma responsabilização por prejuízos que eventualmente investidores ou internautas, venham a sofrer.
O acionista.com.br procura identificar e divulgar endereços na Internet voltados ao mercado de informação, visando manter informado seus usuários mais exigentes com uma seleção criteriosa de endereços eletrônicos. Essa divulgação é de forma única, e os domínios divulgados são direcionados a todos os internautas por serem de domínio público. Contudo, enfatizamos que não oferecemos nenhuma garantia a sua integralidade e exatidão, não gerando portanto qualquer feito legal.