resultados-mundiais

Resultados dos Indicadores Mundiais

09 NOV, 2018 / POR: ACIONISTA.COM.BR

                                 

Bandeira dos EUA

EUA

Confiança dos consumidores deverá registrar 98,3 pontos, menos que o esperado segundo o índice publicado pela Universidade de Michigan. O índice ficará em 98,3 pontos em novembro, contra os 98,6 de outubro. Os analistas esperam que o índice fique em 98 pontos.


Preços ao produtor sobem 0,6% em outubro na comparação com o mês anterior, considerando-se ajustes sazonais. O resultado veio acima da previsão dos analistas, que esperavam um aumento de 0,2%.


Pedidos de seguro-desemprego caem na semana terminada em 02 de novembro. Foram registrados 214 mil pedidos de seguro-desemprego, segundo dados do Departamento de Trabalho do País. Os analistas esperavam 214 mil pedidos na semana avaliada, contra os 215 mil registrados na semana anterior.


Reservas de petróleo sobem mais que o previsto, para 5,78M de barris na semana concluída em 02 de novembro. Vale ressaltar que especialistas esperavam uma alta a 2,43M de barris e na semana anterior foram registrados 3,22M de barris.


Armazenamento de gás natural avançou na semana de 02 de novembro. Foram registrados 65B contra os 48B da semana anterior, segundo Administração de Informação sobre Energia dos Estados Unidos (EIA).


PMI composto avança em outubro, de acordo com instituto Markit Economics que divulgou o índice gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) composto dos Estados Unidos registrou 54,9 pontos em outubro, ante os 54,8 pontos do mês anterior.


Bandeira da Alemanha

Alemanha

Produção industrial cresce 0,2% em setembro na comparação com agosto. O dado veio acima do que o esperado pelo mercado, que previa uma alta de 0,1%. No mês anterior, houve alta de 0,1%.


PMI (índice dos gerentes de compras) composto da Alemanha registra 53,4 pontos em outubro após ter registrado 52,7 pontos no mês anterior. As informações foram divulgadas hoje, 06, pelo Instituto de pesquisas Markit Economics. Vale lembrar que o número abaixo de 50 pontos indica que o setor está em contração.


Bandeira da União Europeia

União Europeia

O Eurostat divulgou que o volume das vendas varejistas nos 17 países que compõem a zona do euro registrou estabilidade de 0,0% em setembro de 2018, na comparação com o mês anterior. O resultado de setembro veio abaixo do previsto pelo mercado (0,1%). Em agosto, as vendas no varejo da região avançaram 0,3%. Na comparação com o mesmo mês de 2017, as vendas subiram 0,8% em setembro de 2018.


Preços ao Produtor avançam. O índice de Preços ao Produtor Industrial (PPI, na sigla em inglês) nos 17 países que compõem a zona do euro avançou 0,5% em setembro de 2018, ante o mês anterior. Em agosto, houve alta de 0,4%. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o PPI subiu 4,5% em setembro.


Bandeira reino unido

Reino Unido

Produção industrial apresenta estabilidade registrando 0,0% em setembro de 2018, na comparação com agosto. O resultado veio acima do esperado pelo mercado, que previa uma queda de 0,1% do índice. Ante o mesmo mês de 2017, o índice também apresentou estabilidade em 0,0%. Analistas previam expansão de 0,4%.


O crescimento da economia foi de 0,6% no terceiro trimestre de 2018, segundo dados preliminares do governo britânico divulgados nesta sexta-feira, 09. O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) ficou em linha com o esperado pelos analistas, que apostavam em um crescimento de 0,6%. No trimestre anterior, o crescimento foi de 0,4%.


PMI (índice Gerente de Compras) de serviços recuou para 52,2 pontos em outubro de 2018, abaixo dos 53,9 pontos do mês anterior, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira, 05, pelo instituto Markit Economics. O resultado veio abaixo da previsão do mercado (53,3).


Bandeira reino unido

Argentina

A agência de classificação de risco Fitch rebaixou sua perspectiva da Argentina para negativa devido à fraqueza da economia e ao panorama incerto para a consolidação fiscal nos próximos anos.
"A intensa instabilidade macroeconômica em 2018, marcada por uma grande depreciação do peso, debilitou dramaticamente as perspectivas de crescimento no curto prazo", disse a agência em um comunicado nesta quarta-feira. A nota para o país foi mantida em "B".


Fontes: Enfoque, Investing.com, Reuters, A Bula do Mercado, UOL, G1, TradingView, ADVFN, XP Investimentos e Elite.