resultados-mundiais

Evolução dos Indicadores da Agenda Mundial

21 SET, 2018 / POR: ACIONISTA.COM.BR

                                 

Bandeira dos EUA EUA

Armazenamento de gás natural avança registrando 86B contra os 69B da semana anterior, segundo Administração de Informação sobre Energia dos Estados Unidos (EIA).


Vendas de imóveis existentes apresentam estabilidade, informa NAR, com 0,0% no mês de agosto na comparação com o mês anterior, para uma taxa anualizada, com ajustes sazonais, de 5,34 milhões de unidades. O número ficou abaixo do esperado pelo mercado (5,35 milhões).


Pedidos de seguro-desemprego caem na semana terminada em 14 de setembro. Foram registrados 201 mil pedidos de seguro-desemprego, segundo dados do Departamento de Trabalho do País. Os analistas esperavam 210 mil pedidos na semana avaliada, contra os 204 mil registrados na semana anterior.


Atividade industrial da Filadélfia avança mais que o esperado, informa o Fed. O nível da atividade industrial na região da Filadélfia, nos Estados Unidos, ficou em 22,9 pontos em setembro deste ano, contra os 11,9 pontos registrados no mês anterior. O dado veio acima do que o previsto pelo mercado, que estimava expansão para 17 pontos.


Reservas de petróleo caem mais que o previsto, para -2,057M de barris na semana concluída em 14 de setembro. Vale ressaltar que especialistas esperavam uma queda a -2,741M de barris e na semana anterior foram registrados -5,296M de barris.


Atividade manufatureira registra 19 pontos em setembro. O índice registrou 19 pontos em setembro deste ano, ante uma expectativa de 23 dos analistas, segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 17. De acordo com relatório divulgado pelo Banco da Reserva Federal (FED) de Nova Iorque o índice atingiu 25,6 em agosto.


Bandeira da China Japão

BOJ anunciou que a partir da próxima semana a compra dos títulos de mais de 25 anos será reduzida. Estando em linha com a proposta de reduzir seu superavit comercial com os EUA

Inflação ao Consumidor (CPI) registrou avanço de 1,3% em agosto


Bandeira da Alemanha Alemanha

PMI composto deverá cair em setembro para 55,3 pontos em setembro, após ter registrado 55,6 pontos no mês anterior. Vale lembrar que o número abaixo de 50 pontos indica que o setor está em contração.


Bandeira da União Europeia União Europeia

PMI composto deverá recuar em setembro. O índice gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) composto, medida ampla do setor privado que combina dados manufatureiros e de serviços, da zona do euro deverá registrar 54,2 pontos em setembro, uma queda em relação aos 54,5 pontos registrados no mês anterior, segundo dados preliminares divulgados pelo instituto Markit Economics.


Confiança do consumidor deverá cair em setembro.A Comissão Europeia anunciou nesta quinta-feira, 20, que o índice de confiança do consumidor nos 17 países que compõem a zona do euro deverá recuar para -2,9 pontos em setembro deste ano. O número veio abaixo do esperado por analistas (-2,0%).


CPI avança em agosto. O Escritório de Estatísticas da União Europeia (Eurostat) anunciou nesta segunda-feira, 17, que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) nos 17 países que compõem a zona do euro avançou para 0,2% em agosto deste ano. No mês anterior, o índice recuou 0,3%.


Bandeira da Argentina Argentina

O Produto Interno Bruto (PIB) recuou 4,2% no segundo trimestre deste ano, ante igual período do ano passado, informou nesta quarta-feira o órgão oficial de estatísticas argentino.

O desemprego cresceu 0,9% no segundo trimestre deste ano e agora atinge 9,6% da população do país, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec).


Bandeira da Turquia Turquia

Revisão para baixo: a expectativa de crescimento econômico para este ano cai de 5,5% estimado para 3,8%, ao mesmo tempo que admitiu um aumento da inflação, para acima de 20% daqui até o final do ano. Segundo os dados apresentados pelo ministro de Finanças, Berat Albayrak, genro do presidente Recep Tayyip Erdogan, a economia turca crescerá no ano que vem apenas 2,3%, e 3,5% no ano seguinte.

Fontes: Enfoque, Investing.com, Reuters, A Bula do Mercado, UOL, G1, TradingView, ADVFN, XP Investimentos e Elite.