Chegou a hora de vender as ações da Petrobras?

31 MAR, 2017 / POR: GUSTAVO KAHIL/MONEY TIMES -

Já está na hora de vender as ações da Petrobras? Essa é, segundo o BTG Pactual, uma das perguntas mais feitas pelos investidores para as mesas de negociações do banco de investimentos brasileiro.

Não é por menos. Em janeiro do ano passado, as ações preferenciais (PETR4) negociavam na casa dos R$ 5. Hoje, os ativos não trocam de mãos por menos de R$ 14. É uma valorização respeitável de 180%.

"Esta foi provavelmente a questão mais frequentemente colocada pelos investidores nos últimos três meses", avaliam os analistas Antonio Junqueira, Gustavo Castro e Daniel Guardiola. Após analisarem o tema, o trio chegou à conclusão de que o real questionamento está sobre o quanto a atual administração ainda pode entregar de mudanças substanciais na estatal.

Dúvidas

Sabe-se que a equipe de Pedro Parente vem rompendo paradigmas internos, controlando custos, reduzindo pessoal, mudando os preços dos combustíveis com métricas transparentes e vendendo ativos. Este último tópico é, argumenta o BTG, o principal ponto que pode destravar um valor adicional para a empresa, que ainda é sufocada por uma dívida gigantesca.

Outro ponto de grande debate é sobre os direitos de exploração nos campos do pré-sal, que podem aliviar o caixa da empresa. "Todo mundo sabe sobre isso, mas as expectativas estão tímidas para dizer o mínimo... então o potencial de valorização está certamente ainda aí!", ressaltam.

O BTG tem recomendação de compra, com um preço-alvo de US$ 12 para as ADRS (PBR_A), representativas das ações preferenciais (PETR4) no Brasil.