Panorama: Dicas para 2010

Índice

Mais um ano se passou e é preciso tecer alguns comentários do que esperar para 2010, mesmo que ainda seja prematuro para alguns qualquer sinalização mais concreta.

É consenso que 2010 será o ano do crescimento sustentado pela expansão da demanda doméstica. Em 2009 o desempenho da economia já é dado. Começou muito fraca, com as incertezas no ar adiando muitos investimentos e fecha o ano em boa expansão, com crescimento previsto em torno de 3,0% no último trimestre, o que deve trazer o PIB para um desempenho entre negativo em 0,2% ou na estabilidade. Neste cenário, o efeito carregamento (carry over) previsto deverá gerar um crescimento em 2010 acima de 5%, com nossa projeção prevista para 5,4%. No terceiro trimestre, o crescimento acabou aquém do esperado, apenas 1,3%, em função do fraco desempenho do setor agrícola, mas com o consumo e os investimentos retornando;

No desempenho de 2010, o PIB deve crescer forte no primeiro semestre, até pela base de comparação favorável, para perder força no semestre seguinte, em função deste mesmo fator, mas suficiente para um crescimento próximo a 5,4%, com destaque para a recuperação do PIB industrial, crescendo 7%, mesma toada do setor agrícola. No setor industrial, a construção civil deve vir como destaque, assim como o segmento de duráveis, com a forte recuperação da indústria automobilística, cerca de 5% do PIB, possível pelo boom de crédito doméstico, estimado acima de 50% do PIB neste ano;

Além do consumo doméstico, com destaque para o setor privado, os investimentos também devem dar sua contribuição para o crescimento de 2010. Estimativas indicam um volume em torno de R$ 29,9 bilhões para os projetos do PAC, com estimadas 16,6 mil obras. Neste caso, destaque deve ser dado a transposição do Rio São Francisco e as obras das hidrelétricas de Rondônia, a Jirau e a Santo Antônio. O Orçamento Geral da União planejou R$ 57,53 bilhões para obras de infraestrutura em 2010. Sobre o volume de investimento em relação ao PIB, no terceiro trimestre estes fecharam em 17,7% do PIB, mas precisam passar de 20% para o crescimento seja sustentável;

A oferta de crédito deverá ser o grande motor da economia brasileira em 2010, devendo crescer entre 15% e 20%. Dentre as modalidades de crédito em destaque, o imobiliário deve liderar seguido por veículos e o crédito consignado. Os bancos buscarão linhas com maiores garantias, o que deve beneficiar o setor imobiliário. Este é considerado o último elo na cadeia do crédito, retomando em função da recuperação da confiança dos consumidores. A tendência é de que dobre ao longo de 2010. Este volume de crédito, no entanto, ainda é insuficiente, se comparado a outros países, como nos EUA onde o crédito já passa dos 100%. Com isto, o risco de bolhas acaba se tornando uma realidade, como o ocorrido no ano passado, com o mercado imobiliário. Isto ainda está distante no Brasil, onde o crédito imobiliário não deve passar de 6% do PIB, havendo potencial de expansão, desde que não haja abusos;

Em novembro, o volume de crédito na economia chegou a 44,9% do PIB, superando o mês anterior (44,6%), com os bancos públicos expandindo fortemente suas operações, passando de 13,8% do PIB em novembro do ano passado para 18,4%. Neste mesmo período, o crédito dos bancos privados nacionais passou de 16,8% para 18,2% e dos estrangeiros se manteve estável em 8,3%. Sobre as modalidades de crédito, as direcionadas para pessoa física avançaram mais do que as para pessoa jurídica, até pela forte demanda por bens duráveis neste final de ano;


EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PARA PESSOA FÍSICA E JURÍDICA

Com o crédito devendo se expandir fortemente em 2010, as vendas do comércio se destacarão, assim como a produção industrial, alavancando o retorno dos investimentos, a construção civil e o setor de bens duráveis. No varejo, as vendas devem fechar 2009 em expansão de 6%, avançando ainda mais em 2010, com crescimento de 7%. Já a produção industrial, depois de recuar cerca de 8% neste ano de 2009, deve avançar no mesmo patamar do varejo, cerca de 7%;

No mercado de ativos, a bolsa de valores, depois de crescer cerca de 80% em 2009, deve perder um pouco de força em 2010, mas ainda deve fechar em queda, com uma expansão próxima a 25%, elevando o índice Ibovespa a cerca de 85 mil pontos. Já no mercado de renda fixa, as perspectivas tendem a ser favoráveis, diante da possível elevação do juro pelo BACEN. Como teremos muita volatilidade nos mercados, em função das várias incertezas nas operações de desmonte das políticas de estímulo dos países ricos, e o risco da inflação, diante da demanda agregada em aceleração, a renda fixa deve ganhar atratividade para 2010. Este movimento de elevação do juro deverá ser, inclusive, gradual ao redor do mundo, diante da possibilidade de uma demanda asiática aquecida, elevando a cotação das commodities agrícolas e minerais e gerando pressões inflacionárias;

Sobre a taxa de câmbio, com a recuperação da economia norte-americana, e uma possível elevação do Fed Funds em algum momento de 2010, é possível um refluxo no ingresso de recursos externos aos emergentes, o que deve pressionar um pouco a nossa moeda. Mesmo assim, ainda estimamos o dólar entre R$ 1,75 e R$ 1,80 para o próximo ano até porque o Brasil continua como o mercado mais promissor entre os emergentes;

 No que se refere à política monetária do BACEN, toda cautela deverá ser pouca diante de uma demanda agregada em forte expansão. É possível uma puxada na taxa básica de juros, atualmente em 8,75%, podendo fechar o ano em 10%. Outros instrumentos deverão ser usados, como elevação do compulsório para depósitos a vista e a prazo, além da mexida na taxa de redesconto.

Sobre as contas externas e fiscais, as primeiras devem se manter em deterioração no ano que vem, até porque as importações devem crescer muito, com a apreciação cambial e o ritmo mais agudo da atividade econômica. Estimamos um saldo negativo em conta corrente, em torno de US$ 34 bilhões, acima de 2% do PIB. Sobre a gestão fiscal, a meta de um déficit nominal zerado ao fim deste ano se torna cada vez mais distante diante do desempenho recente das contas públicas. O déficit nominal foi a R$ 2,4 bilhões em novembro passado, acumulando em 12 meses déficit de 4,14% do PIB, bem acima do registrado em outubro do ano passado (1,27%). Pelo lado primário, com os ganhos de arrecadação federal, o superávit primário registrou R$ 12,7 bilhões, acumulando no ano saldo positivo de R$ 64,2 bilhões ou 2,25% do PIB. Para 2010 a meta fiscal do governo é obter saldo positivo de 3,3% do PIB, excluindo os investimentos do PAC.

INDICADORES CHAVES DA ECONOMIA PARA 2010

 

2007

2008

2009*

2010*

Crescimento do PIB

6,1%

5,1%

0,2%

5,4%

IPCA

4,46%

5,90%

4,35%

4,50%

Taxa de câmbio (R$)

1,7713

2,3370

1,7200

1,7500

Taxa de juros (básica)

11,25%

13,75%

8,75%

10,00%

* projeção

Elaborado por Julio Hegedus Netto, Economista-chefe da Lopes Filho & Associados.


* Economista-chefe, Lopes Filho & Associados
jhn0312@gmail.com

*Este artigo expressa a opinião do seu autor. O Acionista.com.br não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações dadas no artigo ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em conseqüência do uso destas informações.
Advertência: As informações econômico financeiras apresentadas no Acionista.com.br são extraídas de fontes de domínio público, consideradas confiáveis. Entretanto, estas informações estão sujeitas a imprecisões e erros pelos quais não nos responsabilizamos.
As opiniões de analistas, assim como os dados e informações de empresas aqui publicadas são de responsabilidade única de seus autores e suas fontes.
O objetivo deste portal é suprir o mercado e seus clientes de dados e informações bem como conteúdos sobre mercado financeiro, acionário e de empresas. As decisões sobre investimentos são pessoais, não podendo ser imputado ao acionista.com.br nenhuma responsabilização por prejuízos que eventualmente investidores ou internautas, venham a sofrer.
O acionista.com.br procura identificar e divulgar endereços na Internet voltados ao mercado de informação, visando manter informado seus usuários mais exigentes com uma seleção criteriosa de endereços eletrônicos. Essa divulgação é de forma única, e os domínios divulgados são direcionados a todos os internautas por serem de domínio público. Contudo, enfatizamos que não oferecemos nenhuma garantia a sua integralidade e exatidão, não gerando portanto qualquer feito legal.