Rebaixamento do Brasil

Rebaixamento do Brasil à vista

21 FEV, 2018 / POR: ACIONISTA.COM.BR

                                   

"A desistência do governo do presidente Michel Temer em tentar aprovar a reforma da Previdência neste ano é ruim para a classificação de risco do Brasil, porque limitará a capacidade de cumprir a regra do teto de gasto", afirmou nesta terça-feira o analista-sênior da agência Moody's, Samar Maziad.

Já se esperava que uma reforma do tamanho que se desejava fosse improvável, apesar de alguns aliados ao governo defenderem que estará em pauta a Reforma da Previdência até o fim do mandato do Presidente. Agora o governo busca alternativas para tentar amenizar o impacto da decisão no ambiente econômico com o anúncio de 15 projetos que já tramitavam no Congresso considerando-os a "nova" prioridade.

Projetos que envolvem a privatização da Eletrobrás, simplificação de tributos, lei que limita o salário dos servidores, aprovação da autonomia do Banco Central e medidas para aumentar a produtividade.

O mercado está de olhos atentos para os posicionamentos das agências classificadoras de riscos, como Moody's e Fitch que podem se juntar a Standard & Poor's que rebaixou a nota de "BB" para "BB-" devido as incertezas ligadas às medidas para reequilibrar as contas públicas e as eleições.

O atraso da aprovação das medidas fiscais, que tem o objetivo de ajustar as contas publicas do Brasil, leva o país ao risco de não cumprir o teto de gastos do governo neste e nos próximos anos e consequentemente a perda da credibilidade junto aos investidores estrangeiros levando ao rebaixamento.

Fontes: Reuters, Moody's

Relacionados

O que é shutdown nos EUA e o que isso reflete no Brasil

S&P rebaixa nota de investimento do Brasil

Entenda o Mercado: Rating