selic

Comentários sobre o Boletim Focus: PIB, inflação, juros e dívida pública

17 SET, 2018 / POR: CARLOS DIX SILVEIRA*

                                   

PIB

A última edição da pesquisa Focus, divulgada segunda-feira (10), reduziu a estimativa de crescimento do PIB de 2018 de 1,44% para 1,40%. A projeção de evolução do PIB em 2019 foi mantida em 2,50%.

Há quatro semanas as projeções da pesquisa Focus para o PIB veem caindo. Importantes indicadores das mais variadas e confiáveis fontes demonstram uma tendência de queda na evolução da economia. O IBGE, por exemplo, informou esta semana que as vendas varejistas brasileiras caíram 0,5% em julho sobre junho, registrando o pior resultado da o mês em dois anos. A atividade econômica mais fraca desestimulou a compra dos consumidores. As vendas apresentaram queda de 1% em relação a julho do ano passado, interrompendo 15 resultados positivos seguidos, com projeção de avanço de 1,2%. O elevado desemprego, a atividade econômica reprimida e o ambiente eleitoral incerto provocam a redução do consumo. A economia entra em processo de hibernação. A grande preocupação do mercado financeiro é se o novo presidente vai continuar e até reforçar as medidas de ajuste fiscal. É inegável que a dívida publica do país tem trajetória insustentável, pois a relação da mesma com o PIB está próxima dos 80%, diferente da média da relação desse indicador dos países emergentes é de 50%. Candidatos populistas, esquerdistas e despreparados não faltam nesta eleição.


Inflação

A pesquisa Focus alterou a expectativa de inflação de 2018 de 4,16% para 4,05% e mantem a de 2019 em 4,11%. Para atingir a taxa projetada de 4,05% pela pesquisa é necessário que no período setembro/dezembro a taxa média mensal não supere 0,290%.

Inobstante as estimativas da pesquisa a FGV informa que o IGP-M avança na primeira prévia de setembro, atingindo 0,79% contra 0,70% no mesmo período de agosto. O IPA – Índice de Preços ao Produtor Amplo vaiou 1,20% no primeiro decêndio deste mês, ante 1,03% no mesmo período do mês anterior. O IPC - Índice de Preços ao Consumidor variou -0,04 nos primeiros dez dias de setembro contra 0,07% no primeiro decêndio de agosto. O conjunto de indicadores varia de acordo com o comportamento dos respectivos setores econômicos. A projeção da pesquisa Focus acompanha a expectativa dos economistas participantes e do mercado que consideram o alto nível de desemprego e a restrição de consumo como fatores inibidores do crescimento dos preços.


Juros

A pesquisa Focus manteve a estimativa da taxa de juros de 2018 em 3,80% e mantem a expectativa de 3,70% para 2019.

As condições de mercado na mudaram. A economia continua estagnada, a taxa de desemprego muito elevada, os consumidores deprimidos, o ambiente eleitoral indefinido, o déficit público expressivo e o cenário externo adverso. Neste cenário a taxa de juros deve se manter sem alterações significativas.


Dívida Pública

A pesquisa reduziu a expectativa da dívida líquida de 2018 para 54,20% do PIB e manteve a de 2019 de em 57,60% do PIB. A dívida líquida do setor público corresponde ao saldo líquido do endividamento do setor público não financeiro e do Banco Central com o sistema financeiro (público e privado), o setor privado não financeiro e o resto do mundo. O saldo líquido é o balanceamento entre as dívidas e os créditos do setor público não financeiro e do Banco Central.

Boletim Focus (original)

*Economista