fundos de dividendos

Fundos de dividendos: Blindagem à volatilidade atrai clientes

08 JUN, 2017 / Jornalista Responsável: Grazieli Binkowski

       

O abrupto sobe-desce da bolsa de valores nos últimos meses, em particular com a piora da crise política em Brasília, joga holofotes sobre um perfil de aplicação relativamente mais calmo do que o índice de ações (Ibovespa): as aplicações em Fundos de Dividendos, que miram grandes empresas pagadoras de proventos.

Conforme analistas de mercado, como as companhias que compõem os fundos já estão estabelecidas no mercado e pregão, sem absorção intensa de caixa, podem gerar mais caixa e pagar mais dividendos. "O interesse nos fundos dividendos tem crescido bastante nos últimos meses em razão da preocupação de investidores com a volatilidade", explica Carlos Müller, analista-chefe da Geral Investimentos, que gerencia um fundo no tipo, com patrimônio de quase R$ 3 milhões e valorização de 4,6% neste ano. "É uma aplicação com perfil de risco menor dentro do guarda-chuvas da renda variável", afirma.

Conforme levantamento do portal Arena do Pavini, nos últimos 12 meses, os Fundos Dividendos tiveram captação líquida de R$ 254,2 milhões, sendo que o "boom" foi em 2017, com R$ 248 milhões absorvidos. A concentração de recursos captados nos últimos meses é mais intensa nestas aplicações do que nos fundos livres, que captaram R$ 2,034 bilhões em 12 meses e 1,238 bilhão neste ano. O patrimônio líquido dos Fundos Dividendos já chega a R$ 4,952 bilhões no Brasil.

O investidor pode aplicar em companhias pagadoras de dividendos por meio dos fundos ou diretamente via mercado de ações - em geral, as companhias com maior dividend yield são as de setores de infraestrutura, energia, saneamento e concessões, além de bancos. Em geral, os fundos utilizam os proventos para aumentar o valor da cota – ou seja, não vira dinheiro imediato para o investidor. Uma das vantagens ao investidor e ao gestor é ver a cota subir naturalmente, sem a necessidade de atuar ostensivamente na compra e venda de ações. A aplicação mínima depende de cada banco ou corretora.

Assim como tendem a não cair tanto quanto o Índice Ibovespa em tempos de mercado em baixa, os Fundos Dividendos também tendem a render menos em época de bonança. Conforme dados da Anbima, compilados pela Arena do Pavini, neste ano, até dia 25 de maio, os Fundo Dividendos rendiam 5,64%, e, em 12 meses, 20,03%. Enquanto isso, os fundos de ações se valorizavam 6,66% e 22,90%, respectivamente.

Alguns analistas de mercado chamam a atenção para um risco nesses fundos, argumentando que em momentos de incerteza, nem sempre são tão estáveis, pois correm risco de se desvalorizarem mais, uma vez que investidores estrangeiros e grandes gestores de patrimônios costumam ter esses papéis em carteira e se desfazem deles quando o cenário piora. Além disso, é preciso ter a informação de qual a taxa de administração dos fundos, para verificar se não drena uma fatia alta demais do rendimento.

Fundos de Dividendos com maior rendimento em 2017 %
Banrisul Dividendos FI em Ações 17,31
Bradesco FIA Dividendos 16,64
Fundo de Investimentos em Ações Maldivas 16,24
Bradesco Prime FIC de FIA Dividendos 16,07
Bradesco FC Fia Dividendos 15,82
Santander FI Dividendos TOP Ações 15,61
Santander FIC FI Dividendos VIP Ações 15,18
BRAM H FI Ações Dividendos 15,08
Vincy Gas Canoy Dividendos FI em Ações 15,03
Fonte: Anbima, até abril/2017.

A equipe Acionista.com.br leu a matéria e ficou com a seguinte pergunta encaminhada aos colaboradores:

Os fundos de dividendos aumentam meu patrimônio no fundo ao incorporar os dividendos distribuídos, mas sua rentabilidade tem sido menor comparado a outros fundos de ações.
Por que tem atraído investidores, mesmo com menor rentabilidade? Por que eu optaria por ele?

Resposta: os fundos dividendos neste ano estão com uma rentabilidade mais baixa por que a Bovespa deu uma subida, mas em anos anteriores, esses fundos caíram menos do que o Ibovespa. Então é uma opção que acaba mantendo uma média, sem as oscilações mais abruptas.


Você ficou com alguma dúvida? Envie sua pergunta: