Investimentos

Receita de planos de previdência cresce 56%


12 de março de 2004
Por Ana Borges

A receita das entidades abertas de previdência privada cresceram 56% em janeiro deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo R$ 1,706 bilhão contra R$ 1,092 bilhão. Os dados são da Pesquisa Mensal de Dados da Associação Nacional da Previdência Privada (ANAPP). O maior incremento (151%) foi registrado pelo Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL).

O VGBL, ideal para quem é isento ou declara imposto de renda pelo modelo simplificado, teve prêmio total de R$ 878 milhões. O plano obteve este desempenho graças ao aumento na oferta por parte das entidades abertas. Contribuiu a possibilidade de uma parcela importante da população, com idade mais elevada e com pouco tempo para contribuir até a sua aposentadoria, ingressar na previdência complementar e aplicar acima do limite de 12% da renda. O presidente da Anapp, Osvaldo do Nascimento, explica que o produto também tem boa penetração junto às classes C, D e E.Já o pioneiro Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL), que permite

abatimento da base de cálculo do Imposto de Renda das pessoas físicas, apresentou crescimento de 57,6% no período de um ano, com receitas de R$ 443 milhões. Embora o volume de recursos em janeiro seja bem inferior ao de dezembro, quando foram comercializados R$ 684 milhões em PGBL, os números mostram um crescimento seguro. "Tradicionalmente, o primeiro semestre do ano apresenta um crescimento menor do PGBL, já que boa parte dos participantes espera o segundo semestre para, de acordo com suas projeções de renda, aumentar os investimentos no plano e obter o máximo de abatimento da base de cálculo do Imposto de Renda de Pessoas Físicas", explica Nascimento.

Quanto à queda de faturamento nos Planos Tradicionais, -17,3%, com faturamento de R$ 382 milhões em janeiro de 2004, contra R$ 461 em janeiro de 2003, o presidente diz que isso já era esperado. "Diante das características do PGBL e do VGBL, o plano tradicional perdeu espaço, mas a nova safra de produtos com rentabilidade garantida que está sendo regulamentada pela Susep deverá dar um novo impulso a esse tipo de plano", acredita.

A Carteira de Investimento do setor passou de R$ 33 bilhões em janeiro de 2003 para R$ 49,3 bilhões, um desempenho 49,32% superior ao resultado anterior. As Reservas Técnicas das empresas abertas também tiveram crescimento significativo, atingindo R$ 45,8 bilhões e crescimento de 49,41%, 6,48 milhões de planos e 280 mil beneficiários A pesquisa revela que em janeiro existiam 6,48 milhões de planos previdenciários, com um incremento de 1,270 milhão de novos planos nos últimos. Apenas no mês de dezembro de 2003, o crescimento foi de 294 mil novos planos. O potencial estimado pelo setor é de cerca de 20 milhões de participantes a longo prazo.

 

Já o número de beneficiários totalizou em janeiro 280 mil
beneficiários, entre pessoas que recebem de rendas de aposentadoria, por invalidez, pagas a menores de idade e pensões.



 
 
*Este artigo expressa a opinião do seu autor. O Acionista.com.br não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações dadas no artigo ou por eventuais prejuízos de qualquer natureza em conseqüência do uso destas informações.