Bolsa não deve ultrapassar os 40% na composição de uma carteira de investimento

14 janeiro de2009

Recessão técnica é o estado que está sendo atribuído à economia brasileira nas últimas semanas. Ele é explicado pela certeza de um primeiro trimestre (1tr) ruim, conseqüência da queda de crescimento do PIB nacional no terceiro trimestre de 2008 e de queda também no quarto trimestre. A boa noticia é que o cenário nada positivo pode estar sendo antecipado pelo mercado. O gerente de mesa de operações da Geraldo Correa Corretora, Sandro Fernandes, acredita que a primeira reação dos investidores aos maus resultados das empresas esperados para o 1tr09 levará a bolsa aos 32 mil ou 34 mil pontos, abaixo dos 37.550 que fechou 2008. “No entanto, ele será um ótimo ponto de compra, uma excelente oportunidade”, acredita Fernandes.

Para o gerente, após essa queda, a bolsa começará a antecipar uma melhora na economia, e deveremos ver um mercado menos volátil. A estimativa de Fernandes não é compartilhada pelo diretor da Consultoria Projeção e analista gráfico Ricardo Borges. “Eu não sei o que ocorrerá este ano. Acredito que a Bolsa tem 50% de chance de cair e 50%, de subir. Mas a alta, se vier, será no fim do segundo semestre”, argumenta. O cenário de alta volatilidade de curto prazo e de recessão técnica da economia nacional, de certa forma, não parecem influenciar a visão do sócio e do diretor da Humaitá Investimentos, Frederico Mesnik e Marcio Maciel de Almeida Macedo. “Mesmo dia da alta volatilidade no curto prazo, o fato dos lucros das empresas virem positivos ao longo do ano, o Ibovespa tem chances de subir entre 10% e 15%”, afirmam.

O operador da TOV Corretora, Décio Pecequilo, também se considera um otimista com o mercado, e acredita que o índice pode subir até 55 mil pontos. Seu argumento é justificado através de uma pesquisa feita por ele que demonstra que o ciclo “mais perfeito” de alta do Ibovespa, como caracteriza, começou em 3 de janeiro de 2003 e terminou em 20 de maio do ano passado, quando atingiu 73.566 pontos. Ou seja, durou 25 anos, porém não consecutivos, contra 16, de baixa. O otimismo é justificado pelo recente histórico do Ibovespa, que tem apenas 41 anos, pela maneira diferenciada como o Brasil entrou nesta crise, muito diferente de outros períodos, e pelas projeções de organismos internacionais, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que entendem que o país vai crescer mais que o restante do mundo neste ano.

Enquanto o cenário ainda parece não indicar tendência definida, como aponta a análise gráfica da Consultoria Projeção, outra dúvida também divide o mercado: como se posicionar em renda variável. Ricardo Borges não recomenda ter nenhuma parcela aplicada na Bovespa para investidores que ainda não estão ou têm poucos investimentos e experiência. “Para aqueles que entendem bem sobre bolsa, oportunidades momentâneas têm aparecido tanto na compra como na venda de ações, entretanto seriam apenas para especular”. A opinião do analista parece um dos poucos consensos neste momento sobre cerca de um terço dos investidores da Bovespa, isto é, 500 mil pessoas físicas.

A especulação não combina com a bolsa é o recado que poderia se entender do cuidado com que os profissionais consultados falam sobre o investimento. Necessariamente, não é isso, mas é o recado de que bolsa é para o longo prazo. Para o operador da TOV, a indicação para os clientes é de não realizar os prejuízos, ou seja, não se desfazer das posições neste momento. Para o sócio e o diretor da Humaitá, o investidor só verá resultado dentro de três e seis anos. Por isso, a parcela investida em renda variável deve ser daqueles recursos que ele não precisara ocupar neste período. Para Pecequilo, cerca de 30% da carteira pode estar em bolsa, mas a dica para aqueles iniciantes, que operam com valores pequenos, entre R$ 5 mil e R$ 10 ml, é não fazer uma grande diluição do capital.

O gerente da Geraldo Correa, Sandro Fernandes, lembra da necessidade do perfil do investidor ser observador. “A parcela para montar uma carteira de investimentos em bolsa seria de 40% do capital, 30% em renda fixa e o restante em imóveis, mas quando a pessoa atingir uma certa idade, como 55 anos, deveria diminuir sua parcela de risco, e colocar 25% em bolsa”, explica. A parcela investida também varia de setor para setor. Para Fernandes, neste momento, quando uma pessoa decide investir no mercado de ações, ela deve procurara alocar 50% do capital investido nos setores de energia, saneamento e telecomunicações,que são bons pagadores de dividendos; 30% em empresas de primeira linha. E 20% em small caps. “Geralmente dão excelentes retornos aos seus acionistas”, justifica.

Para Mesnik e Macedo, da Humaitá Investimentos, o importante é avaliar primeiramente as empresas, não os setores ou o próprio desempenho (e momentâneo) da economia. Observar os itens que indicam retorno sobre cada real investido pela empresa e sobre o capital empregado retratam se vale a pena aplicar empresas até agui. “Para avaliar o que podemos esperar de uma empresa daqui para frente é importante observar o nível de endividamento e a estrutura de capital da companhia”, observam.
 


Elaborado e editado pela jornalista Grazieli Inticher Binkowski
redacao@acionista.com.br

Advertência: As informações econômico financeiras apresentadas no Acionista.com.br são extraídas de fontes de domínio público, consideradas confiáveis. Entretanto, estas informações estão sujeitas a imprecisões e erros pelos quais não nos responsabilizamos.

As opiniões de analistas, assim como os dados e informações de empresas aqui publicadas são de responsabilidade única de seus autores e suas fontes.

O objetivo deste portal é suprir o mercado e seus clientes de dados e informações bem como conteúdos sobre mercado financeiro, acionário e de empresas. As decisões sobre investimentos são pessoais, não podendo ser imputado ao acionista.com.br nenhuma responsabilização por prejuízos que eventualmente investidores ou internautas, venham a sofrer.

O acionista.com.br procura identificar e divulgar endereços na Internet voltados ao mercado de informação, visando manter informado seus usuários mais exigentes com uma seleção criteriosa de endereços eletrônicos. Essa divulgação é de forma única, e os domínios divulgados são direcionados a todos os internautas por serem de domínio público. Contudo, enfatizamos que não oferecemos nenhuma garantia a sua integralidade e exatidão, não gerando portanto qualquer feito legal.
 

 Expressões Bill - RI