Busca avançada no Acionista.com.br

PESQUISA FOCUS


PIB - A pesquisa Focus desta semana alterou a previsão de crescimento do PIB de 2017 de 0,47%, para 0,50% e manteve a de 2018 em 2,50%.
"A economia não funciona em linha reta. Ela sobe, cai, sobe, cai mais”, como disse há poucos dias o ministro da Fazenda em entrevista a uma rede de emissoras de rádio. Isto é uma verdade. Especialmente aqui neste cenário de dois Brasis. O Brasil político, instável, corrupto e corruptor onde os políticos têm feito muito mais mal do que bem ao país e aos brasileiros. O Brasil real representado pelo capital e o trabalho, empresários e trabalhadores, empreendedores e investidores que arriscam patrimônio e emprego para proporcionar desenvolvimento econômico. A crise política desencadeada pela delação dos irmãos Batistas e dos executivos da JBS, maior empresa produtora de proteína animal do mundo, travou o país. O envolvimento do Presidente da República foi o rastilho de pólvora que incendiou o cenário político enfraquecido pelas operações reveladoras de malfeitos da Lava-Jato. O Ibovespa recuou 8,8% quinta-feira (18), dia da divulgação dos detalhes da delação premiada de Joesley Batista. O dólar teve alta de 8,17% na mesma data. O cenário econômico instável não permite qualquer avaliação consistente sobre a evolução do PIB enquanto o Brasil Político continuar atrapalhando o esforço de recuperação econômica do Brasil Real. O Brasil político trabalha para os políticos e o Brasil Real para a nação. Este foco distorcido de objetivos é a causa primordial das crises que enfrentamos. Por esta razão é mais importante discutir as qualidades de quem entra do que os defeitos de quem sai da presidência.



Inflação - A pesquisa Focus reduziu novamente a expectativa de inflação de 2017 que passou de 3,93 % para 3,92%. A projeção para 2018 foi alterada de 4,36%, para 4,34%.
A crise política trará efeitos negativos para a evolução da inflação. O súbito aumento do dólar pode gerar aumento de preços em setores dependentes de insumos e produtos importados, dependendo da duração do imbróglio político. A tendência de estabilidade dos preços, infelizmente, pode se alterar. A competente área econômica do governo, independente da influência política, terá muito trabalhos neste período instável que enfrentamos.



Dólar - O dólar à vista variou esta semana dos R$ 3,106 de segunda-feira (15) aos R$ 3,259 nesta sexta-feira (19), após passar quinta-feira (8) por elevada taxa de R$ 3,389 com expressiva alta de 8,17% em relação ao dia anterior. A pesquisa Focus realizada antes da nova crise política manteve a previsão da taxa do dólar para o final de 2017 em R$ 3,23 e manteve a de 2018 3,36. A taxa de câmbio acumula alta de 4,19% na semana, de 2,68% no mês, de 0,28% no ano e queda de 9,77% nos últimos doze meses.



Juros - A Focus repete esta semana a estimativa da taxa Selic deste ano e a de 2018 de 8,50%.
A expectativa da pesquisa Focus de manter a taxa de juros descendente até o fim deste ano enfrenta, agora, um período de turbulência econômica, fruto de nova crise política instalada quinta-feira com a divulgação da delação do CEO do grupo JBS. Nada está definido neste cenário de dúvidas a não ser a própria incerteza.



Dívida Pública - A pesquisa manteve esta semana a previsão da dívida líquida do setor público de 2017 de em 51,50% do PIB. A estimativa para 2018 foi alterada para 55,20% do PIB. A dívida líquida do setor público corresponde ao saldo líquido do endividamento do setor público não financeiro e do Banco Central com o sistema financeiro (público e privado), o setor privado não financeiro e o resto do mundo. O saldo líquido é o balanceamento entre as dívidas e os créditos do setor público não financeiro e do Banco Central.


Fonte: BACEN
Elaboração: Equipe técnica Acionista.com.br

Relatório Focus Original

22 MAI, 2017