opcoes sobre acoes

Opções sobre Ações

08 JUN, 2018 / POR: CAMILA COSTA*

                                   

Você algum dia deve ter escutado ou lido algo fascinante a respeito das opções e sobre como podem ser úteis para proteger carteiras de ações das oscilações do mercado e até mesmo remunerá-las.

Mas afinal, o que são Opções?

Opções são instrumentos derivativos isso significa que o valor de uma opção e suas características de negociação estão ligados a um ativo objeto


Exemplo: Uma opção da Petrobras PN está ligada ao ativo PETROBRAS PN.


O ativo ao qual a opção está sendo negociada pode ser uma ação, um Índice, um contrato futuro etc. falarei aqui sobre opções ligadas a ações, mas os conceitos básicos podem ser estendidos a qualquer forma de opção.

Uma opção é um direito de comprar (opção de compra) ou um direito de vender (opção venda) a determinado preço e dentro de determinado período de tempo no futuro.


Imaginemos que eu tenha interesse em comprar um apartamento, após algumas visitas a alguns imóveis me decido pelo apartamento do seu João, que quer R$ 500.000,00 a vista pelo seu imóvel.

Estou decidida a comprar, mas só terei todo dinheiro necessário em minha conta em seis meses.

Desta forma proponho ao seu João que retire o imóvel de todas as imobiliárias e não o venda para ninguém, apenas para mim, porém, somente daqui a seis meses, ocasião em que terei todo o dinheiro em mãos. Como contrapartida, ofereço a ele 50 mil reais para que ele “separe” o apartamento para mim.


Isso será feito através de um contrato especificando que seu João me vende pelo valor de 50 mil reais, a exclusividade da compra de seu apartamento por seis meses, desde que, ao final do prazo eu compre o imóvel por exatamente 500 mil reais a vista, caso eu venha a desistir do negócio, ou não tenha todo o dinheiro em seis meses, seu João ficará com os 50 mil a título de indenização pelo tempo que deixou de tentar vender seu apartamento, esperando que eu exercesse minha exclusividade de compra.


Pois bem, passado os 6 meses, eu, em posse dos 500 mil reais, descubro através de um corretor de imóveis que a vizinha de seu João, dona maria, proprietária de um apartamento idêntico ao dele e no mesmo andar, está precisando de dinheiro e aceita vender seu imóvel por 350 mil reais a vista.

Ligo imediatamente para seu João e digo que não irei mais exercer minha exclusividade, ele ficará com os 50 mil e poderá voltar a anunciar seu imóvel. Desligo o telefone e fecho o negócio com a dona maria.

Agora sou vizinha de seu João e ambos estamos muito satisfeitos. Eu, pois moro onde escolhi e desembolsei apenas 400 mil reais – 50 mil reais para seu João e 350 mil para dona maria (100 mil reais a menos do que o valor inicial). Seu João por sua vez, sabia que enquanto dona maria insistisse em aceitar 350 mil pelo seu apartamento ele nunca venderia o seu por 500 mil, mas nesses seis meses recebeu 50 mil como prêmio por “separar seu apartamento pra mim” e agora aguarda outra oportunidade de vender seu apartamento pelos 500 mil reais.

O proprietário (comprador) da opção tem um direito, não uma obrigação. Se o proprietário de uma opção não exerce esse direito antes do fim do período predeterminado, a opção e a oportunidade (direito) de exercê-la deixam de existir.

Para ter esse direito, ele paga um preço (prêmio), que é o valor da opção.

Agora que definimos e conceituamos ao opções, podemos dar o próximo passo entender e saber aplicar todas as possibilidades de operações financeiras que podemos efetuar através delas.

Quer saber mais sobre o mercado?
Toda semana
Camila Costa estará com novas publicações sobre estratégias e oportunidades de investimento.
Fique atento às oportunidades!


Camila Costa

Camila Costa

Administradora de Empresas pela FAAP
Pós-Graduada em Gestão Financeira pela Anhembi Morumbi
Trader Profissional, investidora e empresária
Linkedin: Camila Costa